E a saúde da mulher? Muitas nunca foram ao médico para saber como anda o coração

Por Gabriel Alves

Como está a saúde da mulher? A pergunta pode envolver uma série de aspectos, que vão desde as idas anuais ao ginecologista até a saúde psicológica.

No primeiro aspecto, o panorama não é tão ruim, segundo uma sondagem on-line feita pela Sociedade Brasileira de Clínica Médica. Cerca de 70% das mulheres sondadas vão anualmente ao ginecologista. As demais, a cada dois anos.

Foram entrevistadas, ao todo, 692 mulheres, distribuídas da seguinte forma ao longo nas faixas etárias:

O palpite, no entanto, era que elas talvez não estivessem tão em dia com a saúde cardiovascular –o que, no fim das contas, parece ser o caso.

O índice de algumas doenças cardiovasculares na família, como a hipertensão, chega perto de 80%. Ao mesmo tempo, cerca de 30% nunca foi ao cardiologista ou ao clínico geral para saber sobre a saúde do coração.

Veja outros fatores negativos para a saúde da mulher investigados pela sondagem:

 

Quase 40% não praticam atividade física (e, de quem faz, 45% faz só pratica uma ou duas vezes por semana) e cerca de metade não dorme nem 6 horas por dia. Isso em um ambiente onde o trabalho, a ansiedade diária e a família acabam trazendo grande estresse.

São questões que levaram a sociedade a criar a campanha Mulher Coração, para conscientizá-las a respeito da saúde cardiovascular. Segundo a SBCM, as doenças cardíacas atualmente são mais comuns do que os tumores de útero e mama, matando 23 mil mulheres todos os dias.


Gostou? Compartilhe. Não gostou? Quer desabafar? Elogiar? Tem algo novo para me contar? Comente abaixo ou escreva para cadeacura (arroba) gmail (ponto) com.

Clique aqui e receba todas as novidades do blog

Você pode acessar (e divulgar) o blog Cadê a Cura?  pelo endereço folha.com/cadeacura

Leia posts recentes:

Criopreservação de humanos ainda é ambição bem distante

Surdos curtindo música? Entenda como o implante coclear ‘conversa’ diretamente com o cérebro

Complementar ou alternativo? Você trocaria um quimioterápico por dez sessões de meditação?