Por que a Aids é uma questão gay (e não uma ‘doença gay’)

Por Gabriel Alves

Na Folha desta quarta (3) o leitor encontra uma entrevista (conduzida por mim e pelo meu colega Phillippe Watanabe) na qual o ativista Kevin Frost defende a ideia de que a política antiaids e anti-HIV é indissociável da luta pelos direitos dos gays.

Já houve diversas tentativas de tentar tapar o sol com a peneira e de dizer que todos deveriam se preocupar igualmente com a doença. Um paralelo grosseiro é dizer que os habitantes de um bairro violento devem se preocupar tanto com a violência urbana quanto os habitantes de um bairro que tem índice de roubos e latrocínios próximo de zero (e vice-versa).

Historicamente, cerca de 10% dos gays do país são soropositivos. E os gays formam cerca de 10% da população masculina em cidades como São Paulo, Salvador, Brasília e Rio. Na população em geral, a taxa de contaminados é de 0,6% (dados da Unaids).

Só que muitas vezes os dados são apresentados de forma a poluir a realidade. Um exemplo disso seria o seguinte: contando os casos notificados de Aids e contabilizados pelo Ministério da Saúde desde 1980 até 2016, houve 145.720 casos resultantes de transmissão sexual em homens heterossexuais e 139.865 em homens homo e bissexuais. Pelas porcentagens: 51% contra 49% –empate técnico entre os grupos comparados.

Desconsidera-se na análise que a proporção populacional de homens gays é, nas cidades citadas acima, por exemplo, nove vezes menor que a de heterossexuais. Em tentativas de explicação como a do “empate técnico” parece que o politicamente correto ganha do estatisticamente acurado.

Por outro lado, como se infere pelos dados (aqueles mais acurados), carteirinha de hétero não garante imunidade contra o vírus. Por mais que a chance de contágio seja menor –também por razões biológicas inerentes à modalidade de sexo praticada– quanto mais “bilhetes” se adquire, maior a chance de ganhar na “loteria”. Não se trata de uma “doença gay”, portanto.

A preocupação do ativista Kevin Frost de ter uma política de prevenção direcionada a grupos de risco –gays, garotas e garotos de programa, usuários de drogas injetáveis– faz todo o sentido. O que falta é a sagacidade para saber como chegar a toda essa gente com uma mensagem verdadeiramente efetiva.


Gostou? Compartilhe. Não gostou? Quer desabafar? Elogiar? Tem algo novo para me contar? Comente abaixo ou escreva para cadeacura (arroba) gmail (ponto) com.

Clique aqui e receba todas as novidades do blog

Você pode acessar (e divulgar) o blog Cadê a Cura?  pelo endereço folha.com/cadeacura

Leia posts recentes:

Instituto Butantan negocia informações da vacina da dengue com farmacêutica MSD

Falta de visão para desenvolvimento da ciência e da saúde é compartilhada entre Temer e Trump

Mosquito geneticamente modificado reduz em 80% a infestação em dois bairros de Piracicaba